Artigo

A farsa da democracia

Postado dia: 12/06/2019 - 00:00

O escândalo, não há outra palavra para classificar o fato, detonado com as matérias do The Intercept, vai muito além de questões pontuais da agenda ultraliberal ou mesmo dos devaneios obscurantistas do fundamentalismo religioso da bancada evangélica. Não se trata de indignação com o corte de verba para a educação, com a perversa reforma da Previdência ou mesmo com a negação do racismo ou da homofobia. Nada disso.

As indecentes e cabulosas relações mantidas pelo então juiz Sérgio Moro com procuradores federais, principalmente Deltan Dallagnol, a fim de manipular acusações e sentenças com interesses políticos e eleitorais, atingem, em cheio, o próprio regime. Um direto de direita que joga na lona toda a podridão que vem desde o impeachment sem crime de responsabilidade, passando pela prisão política de Lula e as fraudes na campanha eleitoral que permitiram a vitória de Bolsonaro.

Por isso mesmo é que frações das elites que até então vinham se digladiando internamente pelo poder, seja no campo econômico, político e militar, se unificaram para defender Moro e Dallagnol, o que significa manter a condenação sem provas de Lula, prolongar a prisão política e referendar todas as arbitrárias decisões fabricadas pela Lava Jato.

Agora, o que importa para eles é esconder a sujeira e garantir um véu de legalidade aos abusos e excepcionalidades. Não em vão tentam tirar o foco do conteúdo das denúncias para fazer proselitismo sobre a forma como foram obtidas. Pura manobra, pois não há até agora nenhuma contestação à veracidade do que foi denunciado.

Aliás, o escândalo só faz reafirmar o que a resistência democrática denuncia há muito tempo. As forças ultraconservadoras se apoderaram de influentes instituições, principalmente do Ministério Público e do Judiciário, e hoje fazem o que querem e bem entendem do país. Prevalece a lei dos mais fortes. O sistema está podre. Pelo menos para os trabalhadores, para o povo.

O site norte-americano deixa o neofascismo nu. Desmascara o grande conluio feito pelas elites nacionais para violar a Constituição e violentar o Estado democrático de direito, usando as leis e o aparato judicial para sufocar a vontade popular em favor de grupos políticos e econômicos. Mostra que as regras não são respeitadas, a menos que sirvam para atender a ganância das velhas oligarquias entreguistas que nunca abriram mão da obra da escravidão. Enfim, comprova que, no Brasil, a democracia continua sendo uma grande farsa.

*  Rogaciano Medeiros é jornalista, integrante do Movimento Comunicação pela Democracia.