Notícia

Lei trabalhista gera só 20% das vagas prometidas

Postado dia: 06/11/2018 - 17:40

No dia 11 de novembro, a reforma trabalhista completa um ano. Mas, nem de longe merece os parabéns. Muito pelo contrário. Além de ter causado incalculável retrocesso no que diz respeito aos direitos do trabalhador, a nova lei não cumpriu a promessa de geração de 2 milhões de empregos até 2019.

Até o momento, foram criadas somente 372.748 vagas formais. Muito aquém do vendido pelo governo, com apoio irrestrito da grande mídia conservadora. Os dados reforçam o que disse o Ministério Público do Trabalho, à época da aprovação da norma, de que a alteração não geraria mais empregos.

Na verdade, para os países em crise, o que gera vaga formal é o desenvolvimento econômico, não flexibilizações trabalhistas, conforme afirmam a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) e a OIT (Organização Internacional do Trabalho), baseadas em exemplos anteriores ocorridos no México e na Espanha.

Além de não criar oportunidades no mercado com a segurança dos direitos para o trabalhador, a reforma ainda impôs uma nova forma de contratação, o trabalho intermitente. Nesta modalidade, o saldo entre admissões e demissões no período é de 35.930.

Para piorar, ainda há casos em que funcionários firmam acordos de demissão com os patrões para depois serem contratados pela mesma empresa ou uma terceirizada como intermitentes. Assim, o empregado que ganhava um salário fixo mensal e os reflexos, agora passa a receber apenas pelas horas trabalhadas, quando solicitado.