Artigo

O nervosismo do mercado

Postado dia: 14/11/2022 - 00:00

Vivemos momentos estranhos, o mercado fica agitado, nervoso, aliviado, já as pessoas estão sendo considerados por alguns, como objetos descartáveis, dentro de uma lógica da necropolítica, onde a população pobre e excluída é o alvo. Assim reage o tal mercado, toda vez que se busca a inclusão social e a melhoria das condições de vida daqueles que mais precisam, e a meta de Lula é novamente tirar o Brasil do mapa da fome.


Na quinta feira dia 10/11/22 Lula discursando para parlamentares em Brasilia questionou “Por que toda hora as pessoas falam que é preciso cortar gastos, que é preciso fazer superávit, que é preciso fazer teto de gastos? Por que as mesmas pessoas que discutem teto de gastos com seriedade não discutem a questão social neste País?”, com isso o mercado ficou nervoso e o dólar subiu 4,08% passando a valer R$ 5,40.


Em resposta ao “nervosismo” do mercado Lula  declarou "O mercado fica nervoso à toa. Eu nunca vi um mercado tão sensível como o nosso", de fato, Lula durante seu governo, desenvolveu uma política de crescimento econômico e ao mesmo tempo de melhoria das condições de vida da população.


Em artigo publicado no Jornal Folha de São Paulo em  08/03/22, o professor da Unicamp, Eduardo Fagnani, cita alguns dados: “Entre 2002 e 2010 a dívida externa bruta caiu de 42% para 12% do PIB; as reservas cambiais aumentaram mais de 17 vezes (de US$ 16,3 para US$ 286,6 bilhões); a dívida externa líquida foi reduzida, de 37% para -2,4% do PIB”, a dívida pública que representava 60,4% do PIB reduziu  para 39,2%,  e o Brasil que era a 13ª economia do mundo passou a ser a 6ª.


Com o processo golpista de 2016, o Brasil voltou ao mapa da fome, e a situação do Brasil se agravou. Direitos sociais foram retirados, a política do governo federal foi responsável por centenas de milhares de mortes com a pandemia da covid-19. Retirou recursos da educação, da saúde, para alimentar o criminoso orçamento secreto, entre outras mazelas e o mercado ficou relativamente tranquilo.


O mercado está preocupado com os especuladores, os parasitas, os agiotas que ficam milionários as custas do sofrimento humano, fica nervoso quando a política busca ações para acabar com a fome, melhorar a vida das pessoas. Lula não foi eleito para satisfazer as doentias necessidades do mercado, este problema pode ser resolvido com um bom psiquiatra.


*Álvaro Gomes é diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e presidente do IAPAZ