Artigo

203 mil mortes, este genocídio não pode ficar impune

Postado dia: 11/01/2021 - 00:00

O Brasil é o segundo país do mundo em número de mortos. No dia 10/01/21, atingiu a triste marca de 203 mil e a média móvel dos últimos 14 dias chegou a mais de 1000 óbitos diários, a maior desde 11 de agosto de 2020.  O que é lamentável é que são perdas humanas que poderiam ser evitadas. Infelizmente, o presidente da república tem dificultado todas as ações que tenham como objetivo salvar vidas.


Segundo o site https://www.aosfatos.org/, de 11/03/20, quando a OMS (Organização Mundial da Saúde) reconheceu a COVID-19 como pandemia, até 02/01/21, o presidente Bolsonaro fez 915 declarações falsas ou distorcidas sobre o coronavírus. A investida nesse momento se dá contra a vacinação da população com atos e declarações negando a importância da ciência no combate a pandemia.


É importante ressaltar que muitas moléstias foram erradicadas a partir da vacinação a exemplo da poliomielite, rubéola, sarampo. Atualmente, estas doenças começam a atingir a população em função do negacionismo e descaso de Bolsonaro. No caso da vacina contra a covid-19 é preciso uma estratégia eficiente que atinja toda população, mas o governo federal não possui um plano eficiente e o presidente faz campanha contra, através de declarações falsas ou distorcidas.


Os ataques a China, com relação às vacinas, estimulando seus seguidores a não tomarem o imunizante “chinês”, demonstra uma ignorância estupida ou má fé do presidente, considerando que os insumos das demais vacinas são produzidos na China. A estratégia do governo federal é atrasar ao máximo o processo de vacinação. Ainda bem que nesse momento o STF-Supremo Tribunal Federal tem tido um posicionamento de não permitir a atitude criminosa daqueles que são contra a imunização da população.


No mundo, mais de 50 países começaram a imunizar suas populações. Já foram vacinados 24 milhões de pessoas, nenhuma aqui no Brasil, o que é muito preocupante tendo em vista que vivemos uma pandemia que desde março de 2020 vem matando milhares de pessoas e no momento o aumento de contaminados e de mortes chega a patamar assustador. É preciso salvar vidas e esse genocídio não poderá ficar impune.
 

*Álvaro Gomes é diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e presidente do IAPAZ