Artigo

Modus operandi das milícias

Postado dia: 24/08/2021 - 00:00


Com o aumento desenfreado do preço do botijão de gás, o Presidente Bolsonaro em sua live do dia 19/08/21, voltou a culpar os impostos estaduais e municipais e defendeu “Você pode pegar o seu caminhãozinho pra tua comunidade ali, uma vez por mês seu caminhãozinho vai lá e compra os botijões. Segundo o site da Revista Fórum, este é o modus operandi das milícias. Para quem tem uma vinculação com este segmento não chega a ser surpresa.


Sua atuação como presidente da república tem sido um desastre, utiliza como uma das estratégias o fortalecimento das milícias, seja com a facilitação da compra de armas de fogo, seja com a vinculação com este segmento e com suas declarações de apoio as manifestações contra a democracia e que pregam o fechamento do Supremo Tribunal Federal e do Congresso Nacional.


O processo golpista iniciado em 2015 que culminou com o impeachment da presidenta Dilma e posterior eleição de Bolsonaro, tem tido como consequência o ataque sistemático a democracia e aos direitos humanos, o aumento das desigualdades sociais e a carestia atingindo em cheio a população pobre. Segundo a pesquisa Nacional do Dieese, a Cesta Básica, aumentou em Salvador de R$ 299,17 em janeiro de 2015, para R$ 482,58 em julho de 2021.  


Em 2015 uma cena teve grande repercussão nos meios de comunicação, Taís Helena, segundo matérias de jornais na época “surtou” em um posto de gasolina em Caxias do Sul, reclamando do preço da gasolina que na época custava cerca de três reais o litro. Hoje o preço da gasolina em alguns locais chega a sete reais.  O botijão de gás que era em janeiro de 2015 R$ 41,00 em Salvador, segundo o Sindigás, em junho/21 já custava R$ 81,46.


Os impostos estaduais e municipais eram os mesmos, o aumento dos preços dos produtos se dá em função de uma política econômica desastrosa do governo federal, que não está preocupado em melhorar a vida das pessoas e sim de beneficiar os poderosos e desenvolver uma política genocida que na pandemia da covid-19 já ceifou a vida de quase 600 mil pessoas.


A resposta para combater a carestia não é utilizando o modus operandi das milícias e sim desenvolvendo uma política econômica que garanta os direitos dos trabalhadores e a redução das desigualdades sociais e isso é possível como ficou comprovado nos governos Lula/Dilma.


*Álvaro Gomes é diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e presidente do IAPAZ