Artigo

Expectativa de vida reduzida

Postado dia: 11/10/2021 - 00:00

Um estudo realizado pelos pesquisadores Cassio Turra da Universidade Federal de Minas Gerais, Marcia Castro da Universidade de Harvard, entre outros cientistas dos Estados Unidos, constatou que no ano de 2020 em função da pandemia da Covid-19, houve uma queda da expectativa de vida dos brasileiros na ordem de 1,94 anos ao nascer. https://doi.org/10.1101/2021.04.06.21255013.

 

Em Brasília, Distrito Federal, capital do Brasil, a redução da expectativa de vida foi de 3,68 anos ao nascer.  A maior redução de todos os estados do país.  No geral as quedas foram bem maiores na região norte, liderada por Amapá, 3,62 anos; Roraima, 3,43 anos e Amazonas, 3,28 anos. No Nordeste, as reduções foram as menores, Bahia, 1,25; Maranhão, 1,37 e Alagoas, 1,57.

 

O melhor desempenho do Nordeste, são reflexo das ações dos governadores buscando preservar a vida das pessoas. O distanciamento social e as demais medidas preventivas exigidas pelos estados em oposição às recomendações do presidente Bolsonaro, foram fundamentais para que a queda da expectativa de vida fosse menor que no restante do país.

 

A Bahia teve o melhor desempenho entre todos os estados brasileiros considerando a variável expectativa de vida. Enquanto a redução em Brasília, foi de 3,68 anos ao nascer, na Bahia foi de 1,25 anos ao nascer.  Até 27/09/2021, a Bahia era o único estado brasileiro a não autorizar público nos estádios, o governador Rui Costa anunciou que só autorizaria quando “o número de casos ativos de coronavírus voltasse a cair substancialmente” e quando for autorizado será exigido a imunização completa das pessoas.

 

As medidas preventivas tomadas com suporte da ciência, são fundamentais para salvar vidas, mesmo que contrarie os interesses dos grandes empresários e do presidente Bolsonaro, que tem desenvolvido uma política institucional e proposital de propagação do vírus. Milhares de mortes seriam evitadas não fosse a posição criminosa e negacionista do presidente da república e de seus seguidores alienados.

 

A pandemia ainda não acabou. A redução do número de casos e de mortes no Brasil só está sendo possível em função da vacinação e demais medidas preventivas. Contrariando os negacionistas que querem a morte, a ciência aponta os caminhos para preservação da vida.

 

* Álvaro Gomes é diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e presidente do IAPAZ