Artigo

CACs e o Crime organizado

Postado dia: 22/02/2022 - 00:00

Levantamento em Tribunais de Justiça de todo país constatou 25 caçadores, atiradores e colecionadores (CACs) envolvidos com milícias, grupos de extermínio e facções criminosas em 9 estados que de forma legal compram armas e repassam para os criminosos, onde eles próprios também comandam o crime (Globo,20/02/22). O caso mais recente foi a apreensão de dezenas de armas na casa de Vitor Furtado Rebollal Lopes em 29/01/22.


Vitor Furtado transportava  11 mil balas de fuzis e na sua residência foram encontradas 55 armas. Ele tinha licença expedida pelo Exército de CAC, assim ele adquiria armas e munições de forma legal e repassava pra grupos criminosos onde também faz parte. O presidente Bolsonaro tem desenvolvido uma politica ostensiva com objetivo de facilitar a aquisição e o uso de armas de fogo.


Diversos iniciativas do presidente da república tem contribuído para aumentar de forma assustadora o numero de armas de fogo em circulação, são ações para diminuir o controle sobre a venda e rastreamento de armas e munições no Brasil. Com as mudanças na legislação, um CAC hoje pode adquirir 60 armas, 30 de uso restrito, ampliação da quantidade de munições e material para fazer recarga de  7 mil cartuchos (UOL, 29/01/22).


Antes haviam outros canais  de fornecimento de armas para o crime organizado, como o do tráfico internacional, hoje o governo Bolsonaro cria mais um mecanismo para o fortalecimento das milicias, dos grupos de extermínio e dos diversas facções do crime organizado, a facilitação  da compra e uso de armas e munições  principalmente através dos CACs.  Esta situação não acontece por acaso, o governo tem plena consciência de suas ações.


Hoje o Rio de Janeiro já possui uma grande parte do seu território controlado pelas milicias e pelo tráfico de drogas, fortalecidos e incentivados por frequentadores do palácio do planalto. Pequenas cidades já estão convivendo com esta situação.


O povo Brasileiro não suporta mais tanta malvadeza, a fome se espalha, o ódio é incentivado, as desigualdades sociais, a violência e o crime  vem se ampliando. As injustiças sociais se proliferam.  A boa notícia é que se aproxima o momento de afastar do palácio do planalto o responsável pela ampliação das mazelas que a nossa sociedade enfrenta.


*Álvaro Gomes é diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e presidente do IAPAZ