Artigo

Síndrome da Resignação

Postado dia: 10/05/2022 - 00:00

O documentário A Vida em Mim, dirigido por John Haptas e Kristine Samuelson, levanta uma questão importante relativo aos refugiados, no caso específico trata daqueles que estão na Suécia e que desenvolveram a Síndrome da Resignação, doença relativamente nova onde a criança fica adormecida durante meses como se estivessem em coma. A hipótese levantada é de que isto ocorre em função dos traumas vividos durante processo de migração.

 

O pediatra Dr. Karl Sallin, afirma que “as crianças e suas famílias foram sujeitas quase que exclusivamente a algum trauma. Psicológico, físico ou ambos e que enfrentam o trauma da deportação”. O psicólogo Mikael Billing afirma que esta síndrome existe em outros países, mas o maior número está concentrado na Suécia onde ele sugere que isto ocorre em função dos fatores culturais próprios do país e as incertezas que as famílias estão sujeitas durante o processo de asilo.


No caso de Dasha de 7 anos de idade, muito ativa, atleta, segundo seus pais, desenvolveu a síndrome durante meses. Eles não tinham assegurado o direito de ficar no país, estavam ameaçados de deportação, só depois que veio a decisão de que eles continuariam na Suécia é que ela conseguiu se recuperar. Segundo consta no documentário as crianças começam a recuperação quando as famílias se sentem seguras. 


No documentário os profissionais da área da saúde falam para os pais que que eles estão sofrendo com o estado da criança, mas que ela não está sofrendo, “está deitada aqui como a Branca de Neve, porque tudo é tão ruim ao redor dela que esta é a forma dela se proteger”.


Segundo a ACNUR Agência da ONU para refugiados, o número de deslocamentos tem aumentado pelo nono ano consecutivo e no final de 2020 já eram 82,4 milhões de pessoas refugiadas em função de conflitos, violências, perseguição e violação dos direitos humanos, https://www.acnur.org/datos-basicos.html.  Observa-se também o aumento do sentimento anti-imigrante, o que só faz agravar ainda mais a situação. 


Nos últimos 3 anos a Suécia registrou 200 novos casos de Síndrome da Resignação. Este fenômeno precisa mais pesquisado, o fato é que os traumas sofridos por crianças ou adultos trazem consequências, a resposta pode variar, mas podemos afirmar com segurança que ninguém nesta condição fica incólume. 


*Álvaro Gomes é diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e presidente do IAPAZ