Artigo

Titulo de Cidadão Camaçariense

Postado dia: 01/07/2022 - 00:00

No dia 14 de junho de 2022, a Câmara de Vereadores de Camaçari concedeu o titulo de cidadão camaçariense a ACM Neto, uma indicação do presidente da Câmara, Junior Borges. 

Após o gesto, foram espalhados na cidade a imagem do presidente da Câmara e seu pré candidato a governador, com a seguinte legenda; ACM (o Neto) “é agora filho legítimo de Camaçari”, apesar de todos nós, que vivemos e construímos a Camaçari real, sabermos que isso não é verdade, não passa de um manobrismo barato da velha politica local, que segue ignorando o perfil eleitoral de 2022, marcada por manifestações que ocupam as ruas de todas as cidades brasileiras, diante de uma dramática crise humanitária do país.

Naturalmente filhos de Camaçari não são apenas aqueles nascidos aqui, mas também trabalhadores e trabalhadoras, bem vindos de outras cidades da Bahia e até mesmo de outros Estados em busca de oportunidades, pois esses fazem a cidade acontecer. Contudo, na grande maioria, compartilham com os nascidos, diversos problemas estruturais que a cidade apresenta no dia a dia. Obviamente ACM (o Neto) não se encaixa em nenhuma das opções acima, passando bem longe das dificuldades dos que vivem a Camaçari real.

E o que é essa Camaçari real? Ela é feita do povo em luta pela sobrevivência, em meio a uma crise sem precedentes, cujo filhos reais desta cidade pedem socorro, aceitando toda sorte de trabalho precário e mal pago, tratados como mercadoria barata e descartável. São esses que ainda fazem a roda da economia girar, os que têm pouco, e ainda compartilham com quem nada tem. Mães com seus filhos de colo entregues ao desespero, pedindo esmolas nas calçadas e filas de bancos, lotéricas, padarias. São esses/as filhos/as de Camaçari que diariamente são impedidos de entrar na Câmara de Vereadores, porque seus trajes, corpos, suor, não combinam com essa Camaçari inventada pelo senhor Junior Borges e tantos outros déspotas que, antes dele, presidiram a Câmara Municipal de Vereadores. Talvez por isso, numa cidade majoritariamente negra/indígena a imagem de tantos homens brancos tomou conta desta casa no ultimo dia 14, para recepcionar o postulante ao cargo de governador da Bahia (ACM).

Apesar de o presidente municipal da Câmara de Camaçari, esta cidade vivencia provas cabais de que hoje ACM (o Neto), e todo o projeto de poder que representa nacionalmente, reflete a corrosão da cidadania no Brasil, na Bahia e em nossa Cidade.

O obvio precisa ser dito. Não podemos esquecer o protagonismo e o empenho pessoal de ACM para eleger um genocida para a presidência da República em 2018. O custo foi até agora quase 700 mil vidas perdidas, entre as quais estão nossos amigos, parentes e vizinhos. Mas antes disso, em 2017, o DEM presidido por ACM  indicou o projeto de lei e foi o grande articulador pela aprovação da reforma trabalhista no Congresso Nacional  com o argumento de retirar direitos trabalhistas e convencer a população de uma consequente superação do desemprego. Depois, em 2021, ACM ainda presidente do DEM, partido que também presidia o Congresso Nacional, defendeu com radicalidade a reforma da Previdência, garantindo novamente a superação do desemprego. O resultado destas (des) reformas? Vimos a Ford e diversas empresas serem fechadas em nossa cidade e país, levando ao aumento do desemprego, derretimento da renda, a carestia generalizada dos preços ao ponto de hoje termos 33 milhões de brasileiros passando fome. Hoje ACM segue como peça fundamental nas decisões do seu novo partido (União Brasil) que no Congresso Nacional defende a privatização da Petrobras e Eletrobrás.

Voltando para Camaçari, em meio a luta do funcionalismo público municipal por reajuste, porque a categoria é obrigada a ouvir os lamentos do prefeito Elinaldo (União Brasil) no qual o município não tem dinheiro para garantir direitos mínimos, sabendo que existem recursos derramados no financiamento da coleta de lixo entre as mais caras do Brasil (Naturalle), com fortes denúncias e indícios de corrupção? Junto a isso a nomeação de 500 novos cargos comissionados. Detalhe: ambos escândalos manobrados pelo núcleo politico de ACM.

Apesar do senhor Júnior Borges (União Brasil) e base aliada na Câmara Municipal aprovarem esse título, não há dúvidas que a população de Camaçari sabe diferenciar CIDADÃO da velha politica, que no momento suga suor e sangue do nosso povo. Felizmente, a Camaçari decorativa vem perdendo espaço para as manifestações populares que explodem por todos os cantos, para que necessidades básicas sejam atendidas diante de toda incompetência política e ingerência administrativa do governo Elinaldo.

Nesse sentindo, é mais importante para os setores locais que dão sustentação a campanha do ACM que façam o prefeito Elinaldo governar e garantir o mínimo de cidadania a feirantes que vem sofrendo com a cobrança de impostos em meio à crise, aos servidores/as e professores/as com direitos básicos negados, as mães que até hoje esperam pelas creches, estudantes e moradores sem transporte público que funcione de verdade. A política atualmente, senhor Junior Borges, se encontra fora do seu domínio institucional, apequenar a Câmara de Vereadores a um mero salão de festas para recepcionar seu candidato e entregar um titulo artificial, não é garantia de grandes mudanças eleitorais para seu grupo, que vem amargando sucessivas derrotas no Estado da Bahia nos últimos dezesseis anos. Assim sendo vamos seguir atentos e fortes, para não aceitarmos o presente como está, muito menos o passado como foi.

 

* Igor Oliveira é cientista social e professor da rede pública estadual de ensino.