COLUNA SAQUE

Postado: 08/06/2021 - 17:17

É VERGONHOSO
Em um momento quando a democracia brasileira luta desesperadamente para sobreviver, diante dos ataques constantes do neofascismo bolsonarista, a atitude do procurador geral da República, Augusto Aras, de querer arquivar o inquérito dos atos antidemocráticos, reafirma a partidarização vergonhosa no sistema de justiça. Também revela de que lado o PGR está.


 
AO ARREPIO
E ainda há quem duvide que o Brasil vive em regime de exceção. O Exército quebra a hierarquia para servir ao presidente, o PGR Augusto Aras quer arquivar o inquérito dos atos antidemocráticos, enquanto na Câmara Federal Arthur Lira (PP-AL) segura os pedidos de impeachment, apesar dos crimes cometidos por Bolsonaro. Tudo ao arrepio da lei. Democracia precarizada.


 
MAIS PROVÁVEL
Ao comentar a notícia de que nos estados o PT vai priorizar os palanques de candidatos a governador competitivos, a fim de potencializar a candidatura de Lula, a presidenta Gleisi Hoffmann se limitou a dizer que debate sobre estratégias eleitorais só no segundo semestre. Mas, a tendência é essa mesma. Concentração de forças para derrotar o neofascismo bolsonarista.


 
SÃO DECISIVOS
Independentemente da terceira via, cada vez mais improvável, o PT e Lula terão papel preponderante nas eleições do próximo ano, principalmente no segundo turno. Por isso mesmo precisam de muita sabedoria e habilidade para agregar e potencializar os diversos setores da sociedade que cansaram da estupidez negacionista e agora se posicionam pelo Fora Bolsonaro.


 
OUTRO LADO
Sempre bom conhecer versões diferentes. Ao contrário da maioria dos analistas, que vê Bolsonaro minguando e não considera o perigo de um golpe, o cientista social Marcos Nobre, professor da Unicamp, diz que o presidente vai crescer nas pesquisas e que as instituições correm risco, sim. Certo mesmo é que a eleição de 2022 será uma das mais violentas da história.