Notícia

[Santander discrimina funcionários brasileiros]

Santander discrimina funcionários brasileiros

Postado dia: 28/05/2020 - 14:19

Os funcionários brasileiros do Santander são totalmente desvalorizados. Mesmo o Brasil sendo responsável por 29% do lucro total do banco espanhol, o tratamento até durante a pandemia causada pelo coronavírus é diferente dos demais países. A vida humana deveria ter o mesmo valor, independentemente de diferença cultural, política, social e econômica. 


No Brasil, mesmo com a curva da Covid-19 em crescimento, 30% dos bancários do grupo de risco estão sendo convocados para retornar ao trabalho. Já na Espanha, os trabalhadores não são inseridos no banco de horas, pois estão garantidos pela seguridade social ou o banco remunera os salários integralmente, sem precisar compensar horas depois da pandemia. Tem mais, os 10% que trabalhavam em casa só retornaram semanas depois que a curva de contaminação e mortes começou a cair. 


Não precisa ir muito longe para notar a discriminação. O presidente do banco no Chile discutiu os rumos na pandemia e os efeitos para os trabalhadores com centenas de dirigentes sindicais. No Brasil, Sérgio Rial nunca recebeu os sindicalistas, nem antes e nem durante a pandemia. 


Para os funcionários argentinos, o Santander paga um bônus/complemento de salário para os custeios de internet, energia e outros suprimentos para quem está trabalhando de casa e as horas extras são 100% remuneradas. 


Totalmente diferente do que acontece no Brasil, onde os funcionários não recebem nada, além da cobrança por metas três vezes ao dia e ainda precisam compensar as horas extras. Sem falar na economia até com higienização neste período que a proteção à vida deveria ser prioridade.