Notícia

[No Brasil da fome, o lucro dos bancos explode]

No Brasil da fome, o lucro dos bancos explode

Postado dia: 14/05/2022 - 12:05

O cenário nacional é delicadíssimo. Cerca de 116 milhões de brasileiros vivem em insegurança alimentar e 20 milhões passam fome. Neste quadro de aumento da miséria, do desemprego, da queda da renda, do poder de compra e de pandemia, os cinco maiores bancos do Brasil – que dominam mais de 80% do mercado – viram o lucro explodir.

 

Juntos, Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander, obtiveram lucro líquido de R$ 28,1 bilhões no primeiro trimestre deste ano, crescimento de 17,5% nos 12 meses encerrados em março. A receita de tarifas somou R$ 36,2 bilhões no período. Com este valor, pagam toda a folha de pessoal e mais a PLR (Participação nos Lucros e Resultados) dos funcionários.

 

Ao contrário do que aconteceu com diversas atividades produtivas do país durante a crise sanitária, a saúde financeira das organizações financeiras continuou intocável, destacou a economista e técnica do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), Ana Georgina Dias, durante palestra na Conferência dos Bancários da Bahia e Sergipe.

 

Segundo explicou, em 12 meses encerrados em março, os ativos dos cinco bancos somaram R$ 8,3 trilhões, alta média de 4,5%. O patrimônio líquido chegou a R$ 646,6 bilhões no período. A inadimplência, no entanto, aumentou. Resultado do desemprego elevado – quase 12 milhões estão sem trabalho hoje no país -, do alto custo de vida e do comprometimento da renda das famílias brasileiras.

 

Para se ter ideia, quem trabalha hoje está com a renda 14% menor do que em 2019. Além da recessão econômica, o resultado das negociações tem ligação direta com a redução da renda do trabalhador. Ana Georgina alertou que em 2021 a maioria das negociações terminou sem recompor a inflação. Neste cenário, os bancários, que estão entre as poucas categorias que conseguiram reajuste acima da inflação, se preparam para mais uma campanha salarial.