História de lutas e conquistas

Fundado em 1933, o Sindicato dos Bancários da Bahia tem o objetivo de enfrentar os patrões e a ordem vigente discriminatória e desfavorável aos trabalhadores. As ações sindicais nas áreas de Saúde,
Esporte, Cultura, Etnia e Raça, Formação e Questões de Gênero, o avanço patrimonial, as lutas específicas e conquistas alcançadas ocupam espaço de destaque nestes 80 anos de história do Sindicato.

 


 
CRONOLOGIA

 

1934 - IAPB e estabilidade

Acontece a primeira greve nacional dos bancários. O governo regulamenta o Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Bancários e dá estabilidade a quem tem mais de dois anos de serviço.

 

1935 - Desunião desastrosa

A Bahia entra em greve em defesa do Salário Mínimo Profissional(SMP), mas os outros Estados não aderem e as esperanças de conquista do SMP se frustram.

 

1946 - Direito de greve assegurado

A segunda greve nacional mobiliza 40 mil bancários, tendo como principais reivindicações o Salário Mínimo Profissional e Qüinqüênio. O movimento sai vitorioso também por consolidar o direito de greve. O único ponto não acordado continuou sendo o SMP.

 

1951- Maior greve da história

 

1961 - Data-base unificada

Deflagrada a terceira greve nacional. A principal reivindicação era o reajuste de 50%. Depois de seis dias de paralisação a categoria vence e unifica a data-base em cinco Estados. A partir desta greve a esquerda se articula para ocupar maior espaço na direção do Sindicato.

 

1962 - SMP e folga aos sábados

O Congresso Nacional veta Santiago Dantas para o cargo de primeiro-ministro. Ouve manifestação, a repressão espanca dirigentes sindicais e os bancários decretam greve de 24 horas. Três meses depois, outra greve se inicia em função da recusa da Associação dos Bancos em receber ofício do Sindicato dos Bancários. Os trabalhadores reivindicavam 70% de aumento e fim do trabalho aos sábados. Até então, a greve de 1962 foi considerada a mais importante por ter conseguido o SMP  e o fim do trabalho aos sábados.

 

1963 - SBBA conquista mais

Às vésperas do Golpe Militar, os bancários decretam greve de 24 horas contra a indicação de Auro de Moura Andrade para a pasta de primeiro-ministro. O presidente João Goulart cede às pressões e Auro Moura não é nomeado. Em setembro a categoria adere a mais uma greve  nacional reivindicando 80% de reajuste sobre os salários vigentes e outros 40% a vigorarem em março do ano seguinte. Vários sindicatos aceitam os 70% oferecidos pelos banqueiros, mas a Bahia, Pernambuco, Guanabara e Paraná conquistam 75% de reajuste em 1963 e mais 35% a partir de março de 1964.

 

1985 - Vitória da resistência

O regime militar sufoca o movimento sindical. Entretanto, a partir deste ano, mais de duas décadas após a última greve, os bancários voltam a se unir em movimentos nacionais e a Bahia, mais uma vez, resiste e impõe assinatura de acordo salarial com os banqueiros como condição para o fim da greve. O movimento ficou na história, sobretudo, por assegurar o direito de greve. Nesse ano, os bancários conquistam índice global de aumento de 89,55% no salário.

 

1986 - Apesar do Cruzado

Os bancário baianos entram em greve. Era a época do Plano Cruzado e após dois dias de paralisação com adesão de 95% da categoria, os bancários conseguem aumento de 100% do INPC acumulado e 2% de produtividade.

 

1989 - Banqueiros na berlinda

Acontece a greve com maior adesão de bancários da rede privada, que obrigou os banqueiros  a negociar fora da data-base da categoria e oferecer reajuste médio de 40% no salário. No Baneb, o aumento médio totalizou 51,3%. Houve reposição salarial de 1.084% na rede privada, incluindo 4% de produtividade. Os funcionários do Banco Nacional da Bahia permaneceram paralisados por 28 dias, foi a maior greve desde 1951, e conseguiram reajuste igual ao dos demais bancos.

 

1990 – Campanha antecipada

A campanha salarial começa mais cedo e os bancários entram em greve nacional, apenas os funcionários dos bancos federais ficam de fora. Na Bahia,  o movimento durou 23 dias e conquistou 54% de aumento de salário, estabilidade por 90 dias e o não desconto dos dias parados.

 

1991 – Reajuste global

A greve deste ano garante aos bancários da rede privada reajuste global de 103,45%, o que representou 34,5% a mais do que os banqueiros ofereceram.

 

1996 - Abono para todos

Mais uma greve nos bancos privados obriga os banqueiros a aumentarem de 8% para 10,8% o índice de reajuste dos salários; abono de 45% e 60% do salário mais a Participação nos Lucros e Resultados. Os bancos federais estendem a todos os funcionários o abono salarial, antes oferecido apenas aos gerentes. No Baneb a conquista foi de 10,8% e pagamento dos atrasados.

2004 - Maior greve nacional 

O ano de 2004, foi considerado de conquistas para os bancários tanto do ponto de vista da organização sindical como das questões econômicas. A maior greve feita pelos bancários em nível nacional durou um mês e assegurou, pela primeira vez nos últimos dez anos, reajuste salarial acima da inflação acumulada no período. Ao garantir reposição maior do que as perdas, a greve acabou de uma vez com a lógica imposta pelos banqueiros, de conceder abono para substituir o reajuste salarial.

Confira o Estatuto da Entidade aqui. É só clicar. ESTATUTO ATUAL 2019.pdf

N CARGO NOME BANCO
1- PRESIDÊNCIA AUGUSTO SERGIO VASCONCELOS DE OLIVEIRA CAIXA
2- VICE-PRESIDÊNCIA EUCLIDES FAGUNDES NEVES BRADESCO
3- SECRETARIA GERAL JUSSARA MARIA SANTOS BARBOSA BB
4- 2º SECRETARIA MARIA DAS GRACAS GOMES DOS S MIRANDA BRADESCO
5- DIRETORIA PARA O INTERIOR JOVELINO SALES SOUZA DESENBAHIA
6-  DIRETORIA FINANCEIRA ELIAS LOPES DOS SANTOS ITAÚ
7-  2º DIRETORIA FINANCEIRA NOLE FRAGA EVANGELISTA BRADESCO
8-  DIRETORIACADMINISTRAÇÃO PESSOAL RONALDO LUIZ SANTOS ORNELAS BRADESCO
9- DIRETORIA DE PATRIMÔNIO ANTONIO LUIZ ARAUJO FERREIRA BRADESCO
10- DIRETORIA PARA ASSUNTOS JURÍDICOS FABIO SANTANA SANTOS LEDO BB
11- DIRETORIA DE IMPRENSA E COMUNICAÇÃO ADELMO DE ASSIS ANDRADE SANTANDER
12- DIRETORIA DE SAÚDE DO TRABALHADOR CELIO PEREIRA DE JESUS ITAÚ
13- DIRETORIA PARA FORMAÇÃO SINDICAL AGNALDO MATOS BATISTA SANTANDER
14- DIRETORIA DE CULTURA ALDA VALERIA GARCIA DA SILVA BRADESCO
15- DIRETORIA DE ESPORTES DORIVAL SANTANA BRADESCO
16- DIRETORIA DA COLÔNIA DE FÉRIAS LUIS CARLOS PEREIRA DE ASSIS BRADESCO
17- DIRETORIA DE POLITICA SINDICAL JEANE PEREIRA MARQUES DOS SANTOS BNB
18- DIRETORIA REPR JUNTO A FEDERAÇÃO AGNALDO SOUZA DE SANTANA BMB
19- DIRETORIA PARA QUESTÕES DE GÊNERO MARTHA REGINA SILVA RODRIGUES BRADESCO
20- DIRETORIA ASSUNTOS COM A COMUNIDADE ALMIR NASCIMENTO LEAL ITAÚ
21- DIRETORIA DOS(AS) APOSENTADOS(AS) PATRICIA ROCHA RAMOS SANTANDER
22- DIRETORIA SOCIOECONÔMICOS ELDER FONTES PEREZ BRADESCO
23- DIRETORIA QUESTÕES ÉTINICO-RACIAIS ELIOMAR CARVALHO SILVA BRADESCO
24- DIRETORIA DOS(AS) FINANCIARIOS(AS) FERNANDO DE SOUSA BAIAO BRADESCO
25- DIRETORIA EXECUTIVA ANTONIO DA SILVA DO CARMO BB
26- DIRETORIA EXECUTIVA SARA DE SANTANA CARVALHO SAFRA
27- DIRETORIA EXECUTIVA ANTONIO MESSIAS RIOS BASTOS CAIXA
28- DIRETORIA EXECUTIVA SERGIO MATOS CORREA BB
29- DIRETORIA EXECUTIVA ROSANGELA MIRANDA DE SOUZA BRADESCO
30- DIRETORIA EXECUTIVA TEREZINHA FONSECA MALHEIROS CAIXA
31- DIRETORIA EXECUTIVA ADRIANA ALBERGARIA PITANGA BRADESCO
32- DIRETORIA EXECUTIVA ADILSON GONCALVES DE ARAUJO ITAÚ
33- DIRETORIA EXECUTIVA VIVIANE SOARES CARVALHO SILVA BRADESCO
34- DIRETORIA EXECUTIVA JOSE ALVARO FONSECA GOMES BRADESCO
35- DIRETORIA EXECUTIVA ALBERTO PEREIRA DE SOUZA BRADESCO
36- DIRETORIA EXECUTIVA JOHN RALPH GOODWIN CAIXA
37- DIRETORIA EXECUTIVA RICARDO LIMA GUIMARÃES ITAÚ
38- DIRETORIA EXECUTIVA AMARILDO MENEZES DE JESUS BRADESCO
39- DIRETORIA EXECUTIVA JEFFERSON DA SILVA RAMOS CAIXA
40- DIRETORIA EXECUTIVA PAULO JOSÉ COSTA CALAZANS BRADESCO
41- DIRETORIA EXECUTIVA ADAILTON FARIAS PIMENTA SANTANDER
42- DIRETORIA EXECUTIVA ANA MARIA MARQUES DE SOUZA GUARANYS BRADESCO
43- DIRETORIA EXECUTIVA LISANDRA FALCAO RIBEIRO BNB
44- DIRETORIA EXECUTIVA MURILO CESAR DE ALMEIDA SALGADO BB
45- DIRETORIA EXECUTIVA MORGAN DANTAS LIMA GOTTSCHALL CAIXA
46- DIRETORIA EXECUTIVA JANAÍNA VINHÁTICO AZEVEDO BASTOS PIMENTEL CAIXA
47- DIRETORIA EXECUTIVA ALAN CHAVES DE JESUS BB
48- DIRETORIA EXECUTIVA ERICO CESAR GOMES JESUS CAIXA
49- DIRETORIA REGIÃO NORTE VANESSA GOMES DE SOUZA ALMEIDA BB
50- DIRETORIA REGIÃO NORTE EDJA JAMILE SILVA MAIA BB
51- DIRETORIA REGIÃO NORDESTE CRISTIANO DOS SANTOS LIMA BB
52- DIRETORIA REGIÃO NORDESTE THALMA MARIA MAGALHAES AQUILINO ITAÚ
53- DIRETORIA REGIÃO SUDOESTE MARCELO CARDOSO FIGUEIRO MATOS BB
54- DIRETORIA REGIÃO SUDOESTE ANDERSON SANTANA DE LUNA BRADESCO
55- DIRETORIA REGIÃO DA CHAPADA AROLDO CELSO TRINDADE MOREIRA CAIXA
56- DIRETORIA REGIÃO DA CHAPADA JULIO CARLOS SANTANA DOS SANTOS BRADESCO
57- DIRETORIA REGIÃO DO RECÔNCAVO JOSE JORGE CONCEICAO ROCHA BNB
58- DIRETORIA REGIÃO DO RECÔNCAVO ERIC LEON SCHMUKLER OLIVEIRA BRADESCO
59- DIRETORIA CONSELHO FISCAL EFETIVO JERONIMO DA SILVA JUNIOR ITAÚ
60- DIRETORIA CONSELHO FISCAL EFETIVO LUIS CLAUDIO DE MELLO MAGARAO ITAÚ
61- DIRETORIA CONSELHO FISCAL EFETIVO GERALDO EUGENIO ALVES GALINDO BNB
62- DIRETORIA CONSELHO FISCAL EFETIVO CLEBER SILVA DOS SANTOS SANTANDER
63- DIRETORIA CONSELHO FISCAL EFETIVO ROBSON BOMFIM OLIVEIRA ITAÚ
64- DIRETORIA CONSELHO FISCAL SUPLENTE ARLENICE FIGUEREDO PASSOS BRADESCO
65- DIRETORIA CONSELHO FISCAL SUPLENTE GLADYS SOUZA DE OLIVEIRA CAIXA
66- DIRETORIA CONSELHO FISCAL SUPLENTE GLACIRA CORREIA BITTENCOURT CAIXA
67- DIRETORIA CONSELHO FISCAL SUPLENTE CELY CRISTIANE MACHADO CARMO BRADESCO
68- DIRETORIA CONSELHO FISCAL SUPLENTE MARIA DAS GRACAS POSSENTI SANTANA BRADESCO

 

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2021 - /fotos/osindicato/21/mg/Prestação de Contas (2).pdf