COLUNA SAQUE

Postado: 17/02/2021 - 09:30

DAR EXEMPLO
Atitudes como a de Bolsonaro, de querer acabar com a imprensa, e do ministro Luís Barroso, do STF, de minimizar os crimes da Lava Jato, produzem aberrações como o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), preso pela PF por reincidentes ataques à ordem constitucional. Enquadrar o parlamentar na lei é fundamental para conter o neofascismo negacionista.


 
PELA DEMOCRACIA
O Judiciário está na encruzilhada. Se não houver punição exemplar aos procuradores do “clube” de Curitiba, pelos crimes imperdoáveis cometidos na Lava Jato, será um incentivo ao arbítrio, ao autoritarismo, debilitando ainda mais a democracia. É imprescindível neutralizar as forças neofascistas incrustadas no Estado, principalmente no sistema de justiça.


 
É INDELÉVEL
Dois fatos que reafirmam o vergonhoso passado colonial e escravagista nunca superado pelas elites nativas. O presidente da República propõe acabar com a imprensa tradicional, enquanto o presidente do TSE e ministro do STF classifica como meros “excessos” os crimes da Lava Jato. Bolsonaro e Barroso servem ao mesmo senhor. Democratas “de araque”.


 
NÃO COLOU
O jornalista Reinaldo Azevedo não perdoou o cinismo de Edson Fachin, por só agora, “três anos depois”, considerar “inaceitável e intolerável” a revelação, em livro, do general Villas Bôas, de que o Exército atuou pela prisão de Lula. Lembra que o ministro, em 2018, votou no STF favorável à manutenção do ex-presidente na cadeia, após pressão dos militares. Real.


 
NA HISTÓRIA
Só há uma diferença entre o lavajatismo que Barroso, Fachin e Fux tanto defendem no STF e a estupidez bolsonarista: Bolsonaro está no poder, tem a caneta, enquanto Moro, Dallagnol e o “clube” de Curitiba estão em desgraça, desmoralizados internacionalmente. Mas, têm a mesma origem. A Lava Jato pariu o neofascismo. A história está aí, registrando tudo.