COLUNA SAQUE

Postado: 22/04/2022 - 10:38

INQUIETANTE
Na real, a intenção de Bolsonaro com o inconstitucional decreto que concede perdão da pena estipulada pelo STF ao deputado Daniel Silveira (UB-RJ) é criar um clima de caos institucional às vésperas da eleição, a fim de tumultuar o processo eleitoral, objetivo que ele sempre perseguiu e tem intensificado diante da inferioridade nas pesquisas. O caso é gravíssimo.


 
NEOFASCISMO
Pela Constituição, o presidente tem direito de conceder graça (individual) e indulto (coletivo), mas o perdão a Daniel Silveira, que apenas o livra da prisão, mas não da perda dos direitos políticos, é inconstitucional porque Bolsonaro assumiu, enquanto Poder Executivo, a prerrogativa de revisar decisão do STF, o que é ilegal. Atitude própria de regimes ditatoriais.


 
CANDEEIRO
O pedido de vista do ministro Vital do Rêgo, do TCU, atrasa o processo, porém não impede mais um crime de lesa-pátria do governo Bolsonaro, no caso a privatização da Eletrobras. A rejeição definitiva só mesmo na luta política, com grande mobilização popular, o que não existe. Energia elétrica se tornará artigo de alto luxo. Ao povo restará a volta ao candeeiro.


 
DESNACIONALIZAÇÃO           
Um país que preza pela soberania nacional não entrega um setor tão estratégico como é o de energia elétrica para a iniciativa privada. Nos EUA, China, Canadá e boa parte da Europa, o Estado tem o controle majoritário, com participação bem minoritária do empresariado. Mas, no Brasil dos “patriotas” e “homens de bem”, Bolsonaro lesa a pátria.


 
SERVILISMO
Repugnante, o caráter entreguista das elites nativas, que nunca conseguiram superar o servilismo à metrópole. Tudo que Bolsonaro colocar para privatizar passa tranquilamente no Parlamento, no Judiciário e nos órgãos de fiscalização porque o entreguismo da riqueza nacional é consenso entre as classes dirigentes, com raríssimas exceções. O Brasil ainda é colônia.