COLUNA SAQUE

Postado: 08/09/2020 - 13:52

É CANDIDATÍSSIMO
O discurso de Lula no 7 de setembro, dia da Independência do Brasil, pela internet, além de se contrapor totalmente ao de Bolsonaro, feito em cadeia de Rádio e TV, deixou bem claro que o ex-presidente é candidatíssimo para 2022. Antes, no entanto, ele, o PT e aliados precisam concentrar forças pela devolução dos direitos políticos. As elites não parecem dispostas a devolvê-los.


FEZ FALTA
Lula, considerado o melhor presidente da história brasileira, dono de invejável capital político, e o PT, maior partido do país, têm pleno direito de almejar o retorno ao poder central. Mas, bem que no discurso do 7 de setembro poderiam ter incluído a defesa de uma frente ampla, pelo menos das esquerdas, para fortalecer a resistência ao neofascismo. É preponderante.


DE INTRIGAR
Preocupante. A propósito de quê o presidente do STF, Dias Toffoli, à revelia dos fatos, afirma que Bolsonaro e o governo nunca atuaram contra a democracia? E as fake news, a trágica reunião ministerial de 22 de abril, o episódio de 22 de maio, quando o presidente cogitou invadir o Supremo? São exemplos democráticos? Sem falar de outras violações à Constituição.


FICOU CLARO
É questão de conceito sobre o que seja Estado democrático de direito. Ao afirmar que o governo Bolsonaro não atua contra a democracia, Toffoli explica também porque não reagiu nem reage ao impeachment sem crime de responsabilidade, aos abusos da Lava Jato, a suspeição de Moro, a devolução dos direitos políticos de Lula, as privatizações lesa-pátria e as violações à soberania nacional.


EM DÚVIDA
A Folha de São Paulo diz que a possível ida de Dias Toffoli - na quinta-feira passa a presidência do STF a Luiz Fux - para a 2ª Turma significará derrotas em série para a Lava Jato. Depende dos processos, pois a suspeição de Moro com a devolução dos direitos políticos de Lula é uma incógnita. Ficou em dúvida após ele dizer que Bolsonaro é democrático.