COLUNA SAQUE

Postado: 14/09/2020 - 11:22

ASSUSTADOR
O relatório da ONU, que aponta uma realidade tenebrosa no pós pandemia, com mais de 176 milhões de pessoas despencando para abaixo da linha da pobreza, ajuda a prever as dificuldades que o Brasil vai enfrentar e a necessidade de um esforço concentrado da sociedade para barrar o ultraliberalismo neofascista de Bolsonaro, Moro, Maia, Dória e companhia.

 

ATROZ
É o antônimo de civilidade. A nova forma de reprodução do capital, que se materializa no ultraliberalismo neofascista, uma combinação de despotismo de mercado com restrições drásticas das liberdades e direitos, é inimiga mortal da democracia, da diversidade, do contraditório, da cultura, da cidadania. Os pobres tornam-se indesejáveis, passivos de eliminação.

 

DESAFIO
Com exceção de Porto Alegre, onde Manuela D`Ávila aparece bem, nas demais capitais as condições objetivas de as forças progressistas ganharem prefeituras são precárias. Pelo menos é a realidade atual. Faltam dois meses para a eleição municipal. Como em política tudo pode mudar rapidamente, só resta trabalhar mais, para reverter o quadro. A cidadania agradece.

 

FACILITA
Estudos da Ciência Política mostram que são rarefeitos os impactos eleitorais de vereadores e prefeitos na corrida presidencial. Influenciam mais na eleição para governador e deputado. Porém, é sempre bom para um candidato a presidente ter o apoio de lideranças com mandatos no Legislativo e Executivo municipais. Pois é, “o que não mata, engorda”.

 

PASSAPORTE
Em plena polêmica com a anistia, pelo Parlamento, de uma dívida superior a R$ 1 bilhão das igrejas com a Receita Federal, o MP do Rio libera informação relevante. Só da Universal, o Coaf (Controle de Atividades Financeiras) registrou uma movimentação atípica de R$ 5,9 bilhões em apenas um ano, de maio de 2018 a abril de 2019. Passaporte para o céu.