COLUNA SAQUE

Postado: 01/04/2021 - 09:07

PREPONDERANTE
Para o bem do Estado democrático de direito e acabar de vez com o vício da caserna de querer celebrar a vergonha, como a ditadura civil militar (1964-1985), é fundamental mudar a formação dos oficiais. Ensinar que as Forças Armadas existem para defender o país, se pautar pela Constituição e envolvê-las em golpe de Estado não é motivo de honra, mas de desonra. Mexer na raiz.

 

ABERRAÇÃO
Precedente perigoso que se abre com a impunidade permitida ao assessor internacional do governo, Filipe Martins, que fez gesto supremacista branco durante fala do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Inclusive, Ernesto Araújo foi demitido, merecidamente, claro, e ele se manteve no cargo. Concessão que mina a democracia e vitamina o neofascismo.

 

ATERRADOR
A Covid está matando cerca de 4 mil pessoas por dia. O número só faz aumentar. Segundo cientistas e instituições de credibilidade, pode chegar a 5 mil se não forem tomadas medidas emergenciais duras em todo país para conter o avanço da pandemia. Mas, as elites que sustentam Bolsonaro, que lucram alto com o vírus, fingem estar tudo bem. Comparsas no genocídio.

 

MALÉFICO
Como esperado, Bolsonaro mandou às favas o comitê de emergência contra Covid. Continua a boicotar as medidas de prevenção e sabotar os esforços de governadores e prefeitos para baixar a contaminação. E Arthur Lira (PP-AL), que fez aquele discurso para enganar trouxa, fecha os olhos. Assim como Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Câmara e Senado sob o domínio do mal.

 

INCORRIGÍVEL
Com Bolsonaro, a situação só faz piorar. Quem pensou que a troca no Ministério da Saúde fosse aliviar a dor do povo, se enganou redondamente. O novo ministro, Marcelo Queiroga, além de reduzir em mais de 21 milhões as doses de vacina para abril, quer que os médicos economizem oxigênio. É igual ou pior do que Pazuello. Só o impeachment resolve.