COLUNA SAQUE

Postado: 08/09/2021 - 11:50

AMALDIÇOADO
Sem sombra de dúvida, independentemente de ter conseguido levar muita ou pouca gente às ruas, na terça-feira, Bolsonaro é o grande e principal derrotado no embate entre a democracia e o neofascismo, no 7 de setembro. Os deuses da Independência o amaldiçoaram. As novas e graves ameaças à Constituição fizeram com que até setores conservadores passem a defender o impeachment.

 

AGONIZANDO
Se institucional e politicamente a situação de Bolsonaro já era periclitante, agora se torna gravíssima, após os crimes cometidos no 7 de setembro quando, em ato que pedia golpe militar, voltou a agredir Alexandre de Moraes, ameaçar as instituições,pregar o descumprimento de decisões judiciais, além de chamar os ministros do STF de “canalhas”. Na UTI. 

 

DESMORALIZAÇÃO
As reações contra a radicalização golpista de Bolsonaro partem de todos os segmentos sociais. “É chegada a hora. Esperar mais o quê? Não repitamos velho hábito de colocar cadeado em porta arrombada”, diz a jornalista Tereza Cruvinel. “Bolsonaro está entre a desmoralização e o impeachment. Se meteu em sinuca de bico”, afirma Gilberto Kassab, presidente do PSD.

 

SENVERGONHICE
É o cúmulo do cinismo, da desfaçatez, do descaramento, o deputado Arthur Lira (PP-AL) se dizer “preocupado” com o discurso golpista de Bolsonaro no 7 de setembro. Afinal, se o presidente continua no cargo, um dos culpados é o presidente da Câmara Federal, que mantêm arquivados mais de 100 pedidos de impeachment. Dá nojo.

 

DESAPROVAÇÃO
A tendência é a próxima pesquisa realizada após os atos golpistas de 7 de setembro, que terminaram por ajudar a unificar a oposição, revelar uma rejeição ainda maior de Bolsonaro, com aumento na desaprovação do governo, diante dos altos preços dos alimentos, do gás de cozinha, dos combustíveis e outros produtos básicos. O presidente está com os dias contados.