COLUNA SAQUE

Postado: 30/04/2021 - 10:27

EXCOMUNGADOS
Na queda de braço que as forças progressistas travam com a extrema direita, nos planos institucional e político, a instauração da CPI da Covid, de forma independente, representa uma grande vitória da resistência democrática. Não em vão Bolsonaro usa todo o poder do governo, a milícia virtual e a máfia da fé para tentar desqualificar a Comissão. A verdade os condena.
 
DOLOSO
O pânico de Bolsonaro com a CPI da Pandemia, ou do Genocídio, como também tem sido chamada, reside no fato de que as investigações comprovarão o caráter criminoso, planejado, proposital da negligência do governo na crise sanitária. Vai desmascarar a necropolítica. Não foi só incompetência de governança. O relatório tende a ser bem comprometedor.
 
AGRAVANTE
A decisão da Anvisa, claramente política, de vetar a vacina russa Sputinik V, com argumentos estapafúrdios, como está se comprovando, é mais uma atitude criminosa do governo Bolsonaro contra o povo brasileiro. Outro agravante para as investigações e o relatório da CPI do Genocídio. A Covid já matou mais de 400 mil pessoas. Horror bolsonarista.
 
OFENSA
A declaração do chefe da milícia parlamentar bolsonarista, senador Ciro Nogueira (PP-PI), de que a CPI da Covid não vai dar em nada porque o correligionário Arthur Lira (AL), presidente da Câmara, não permitirá a votação do impeachment, é uma aberração intolerável. Rompe com todas as barreiras das reservas institucional e moral. Um acinte ao Parlamento.
 
PARCERIA
Gravíssima, a denúncia de que o Atacadão Atakarejo entregou dois homens flagrados roubando no supermercado para o tráfico de drogas, que os matou. A polícia precisa dar uma resposta imediata. Além de identificar e prender assassinos e mandantes, é necessário também saber detalhes da relação do Atakarejo e seguranças com traficantes. Que parceria é essa?