COLUNA SAQUE

Postado: 09/05/2022 - 16:52

IMPLAUSÍVEL
Por mais que setores progressistas acreditem, fica difícil engolir a versão de que os EUA teriam advertido Bolsonaro para não dar golpe. Podem até rejeitar golpe militar, com fuzis e matança, mas apoiam qualquer medida extralegal capaz de violar a vontade popular, reeleger a agenda ultraliberal (Bolsonaro) e impedir a vitória da democracia social (Lula). Como em 2018.

 

DESAFIO
Dilema da extrema direita golpista: dificilmente o neofascismo bolsonarista conseguirá atropelar a legalidade com apoio do STF. Não terá amparo legal. Aí só resta partir para a ignorância, romper a barreira dos limites constitucionais. Vai encarar? Sem o apoio das Forças Armadas, Bolsonaro sucumbe às urnas. É a vontade do povo. Só golpeia com os militares.

 

INSANIDADE
O histórico das elites nativas, marcado por seguidos golpes contra o povo, suscita desconfianças. A insanidade da extrema direita é tanta que, apesar de saber da impossibilidade de sustentá-lo, pode insistir no plano golpista que, mesmo fracassando, implicará em altíssimos custos políticos, econômicos e sociais para o país e todo o povo brasileiro. Melhor prevenir do que remediar.

 

INCENTIVO
Duas ilegalidades, duas omissões. A primeira dama, Michele Bolsonaro, apareceu em cadeia nacional de rádio e TV, o que contraria a lei, por só ser permitido a chefes de poderes e ministros, e usa o Dia das Mães para cometer crime eleitoral. O TSE e a PGR se calam. Na impunidade, o neofascismo bolsonarista se sente livre para cometer mais arbitrariedades. Infelizmente.

 

 
SIMETRIA
Com o Parlamento dividido - Rodrigo Pacheco (Senado) se coloca ao lado da democracia, enquanto Arthur Lira (Câmara) se cala diante das ameaças golpistas para agradar Bolsonaro - seria importante, neste momento, um posicionamento conjunto da OAB, ABI, CNBB, entidades do empresariado e dos trabalhadores em defesa da legalidade e do respeito às urnas. Unidade.